Mais de 100 formandos são vítimas de golpe e ficam sem festa de formatura no Rio

Mais de cem alunos levaram calote e ficaram sem festa de formatura
Jornal Hoje
Mais de cem alunos levaram calote e ficaram sem festa de formatura

Mais de cem alunos levaram calote e ficaram sem festa de formatura

Mais de cem alunos de faculdades públicas e particulares do Rio pagaram pela formatura, mas quando chegaram no local do evento, neste sábado (20), descobriram que a festa tinha sido cancelada.

O evento aconteceria na casa de festas Ribalta, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, mas a empresa responsável, Aloha Formandos, desapareceu.

A formanda Alessandra Dias diz que 140 estudantes de sete universidades pagaram entre R$ 2.800 a R$ 3.500 pela festa. E que, ao chegar ao local do evento, as portas estavam fechadas. Além da frustração, prejuízo. Alessandra alugou vestido para a festa e quando desceu do carro na porta da Ribalta soube do cancelamento do evento.

“Chegamos cedo para ver a arrumação das mesas, locais para os professores, tudo e quando desci do carro, por volta das 21h40, soube do cancelamento da festa. Outros colegas ainda tiveram prejuízo maior com parentes que vieram de outros estados”, disse a estudante.

O caso foi parar na 16ª DP (Barra da Tijuca). Até agora nenhum dos estudantes conseguiu contato com a empresa Aloha Formandos. Os responsáveis pelo espaço disseram aos alunos, que a Aloha Formandos não cumpriu os contratos com os fornecedores e ligou para eles às 19h, dizendo que o evento marcado para às 22h tinha sido cancelado.

Nas redes sociais, a página da Aloha Formandos tem vários comentários de pessoas indignadas com o cancelamento da festa e até pessoas que não receberam o pagamento pelos serviços prestados a empresa.

Esse não foi o único evento que a empresa Aloha Formandos deixou de fazer. Em Macaé, no Norte do Estado, alunos de Engenharia de Produção e Administração da faculdade Miguel Ângelo da Silva Santos, a Femass, também não conseguiram comemorar a formatura que estava marcada para acontecer no sábado. Mensagem de texto sobre cancelamento da festa foi enviado no dia do evento.

Soraia Panella, coordenadora de atendimento do Procon-RJ, aconselha que estudantes pesquise e acompanhe reputação da empresa, participe de outros eventos.

“Nesse caso particular, a gente sabe que essa contratação foi feita há um tempo, num momento em que a empresa estava muito bem no mercado. A melhor dica é acompanhar durante um período todas as atuações, frequentar, ir a outros eventos, observar. Isso não vai evitar o problema, mas tem de ficar atento. Qualquer sinal que possa dar a entender que a empresa está com algum problema é o momento de buscar ajuda. Buscar do Procon ou judicial. Qualquer falta de contato deve acender um alerta. O dever de informação está no Código de Defesa do Consumidor. Neste caso, a empresa mudou de endereço, não comunicou a nenhum formando, já era para verificar que alguma coisa não estava certa”, disse Soraia, destacando que o Procon não trata de danos morais.

A produção da TV Globo tentou contato com a Aloha Formandos por telefone e nas redes sociais do proprietário, mas não conseguiu falar com os responsáveis

Fonte: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2019/04/22/mais-de-cem-formandos-sao-vitimas-de-golpe-e-ficam-sem-festa-de-formatura-no-rio.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *